Em termos de estrutura cênica, a montagem de EU, VOCÊ, GREGOS E TROIANOS, 2005, se constrói pela colagem de fragmentos de diversas tragédias gregas. O espetáculo é uma espécie ode ao universo do teatro da Grécia Antiga, suas tematizações e características dramáticas – mesmo que se edifique basicamente pela explosão dessas características [em especial a unidade aristotélica de ação, espaço e tempo]. O tempo, aliás, é tema paralelo do espetáculo, que faz uma passagem do escuro [tempos primordiais] ao claro [tempos áureos].  O espetáculo apresenta um prólogo no breu com o sacrifício de Ifigênia, um primeiro ato com lanternas passando por Tróia e sua devastação mitológica e um segundo ato chegando à luz com o retorno à Grécia. A veia épica do teatro grego interessa aos Irmãos Guimarães, que incorporam vários fragmentos narrativos na dramaturgia da peça. Os figurinos contemporâneos explicitam o desejo de atualização do clássico e seus possíveis sentidos na sociedade contemporânea. O embate com o universo grego seria o próprio embate com as bases do teatro. Neste trabalho, o caráter de colagem e sobreposição [quase aleatória] lembra os primeiros experimentos de Kantor – em que ficam explícitos suas qualidades como artista híbrido e sua interação com as artes visuais.